Blender para todos! - Parte I

Caros,

A pergunta que dá nome a esta página, de certa maneira, já foi respondida infinitas vezes ao longo destes quase 30 anos da criação da licença GNU, ou seja, bem antes do surgimento do Gimp, do Inkscape ou mesmo do próprio Blender.

E tantas outras ferramentas bacanas, que nós do departamento de criação utilizamos sem que muitos desenvolvedores imaginem em nossos trabalhos; ou mesmo no dia a dia como o V-Tiger ou um player de música para alguns até mesmo 'esquecido', como o XMMS.

Pois é, nós também somos pessoas 'comuns'. Quando falamos em criação, estamos explanando sobre literalmente conceber algo único, algo totalmente novo que servirá para algum propósito que nos interesse, seja uma simples calculadora em alguma linguagem leve, ou mesmo uma arte complexa para ser estampada em um prédio, ou seja, os nossos 'mundos' não estão tão distantes assim!

De posse disso, uma outra maneira de responder a esta pergunta, é dar uma olhada na quantidade de trabalhos espetaculares produzidos com Software Livre em todos os seus segmentos, como distribuições confiáveis para manter serviços vitais funcionando como caixas eletrônicos, nossos smartphones, filmes feitos com o Gimp (como: Matrix) e no Blender (Sintel e muitos outros!).

Há ainda os vetores mais do que realistas feitos com o Inkscape, os eventos como a 'Blender Pro', o espaço dado à computação em código aberto em gigantes como a LatinoWare e tantos outros!

E a resposta final?

Sim! Isso não apenas existe, mas acontece diariamente, mesmo quando nós não estamos de olhos abertos.
Linux: Blender para todos! 
Parte I

Está tudo muito bom, mas... e o 3D?

O universo 3D parece quase inacessível à grande maioria dos 'mortais', bem como os demais segmentos, como a edição pesada de imagens ou mesmo o trato com desenho vetorial simples.

Mas isto acontece porque sempre que se pensa no assunto, uma grande muralha reforçada intransponível se forma na frente daquilo que se deseja criar.

E o nome desta barreira é: VOCÊ MESMO!!!!

E as justificativas que servem como alicerce e 'pedra angular', são sempre as mesmas: "Eu não sirvo pra isso".
Linux: Blender 
para todos! Parte I

É claro que não! Afinal você não estudou para aprender isso, porém, nada que um pouquinho de dedicação e vontade, não possam resolver! E isto vale para tudo o que desejamos nessa vida!

"Eu não consigo".
Linux: Blender 
para todos! Parte I

Se você ao menos tentar, aposto como tem boas chances de conseguir!

"É muito difícil".
Linux: Blender 
para todos! Parte I

Tudo na vida é difícil, até mesmo decidir o que vamos comer, então, essa não é uma boa desculpa.

"Não sei onde aprender".
Linux: Blender 
para todos! Parte I

Bem, esta pequena série está aqui para resolver isso! =]

"Está em outro idioma".
Linux: Blender 
para todos! Parte I

Um segundo idioma é vital para se comunicar hoje em dia, e duvido que você mantenha seu emprego por muito tempo sem saber pelo menos inglês!

"Sou um preguiçoso confesso e prefiro ficar postando besteiras na rede e dizer que pertenço a uma comunidade."
Linux: Blender 
para todos! Parte I

Bom, esta é a única barreira que realmente não tem solução. =[

Agora que já sabemos o caminho para detonar esta barreira, até então intransponível, vamos direto ao nosso assunto, que é tornar a criação 3D ao seu alcance!
Linux: Blender para todos! 
Parte I

Sua primeira animação começa A-G-O-R-A!

Isso mesmo! Vamos começar agora!


Primeiro vamos explanar sobre os objetos-chave vistos na interface do Blender, quando aberto.


À primeira vista, nós temos 3 itens no espaço tridimensional, além das abas de controle da interface, como vista abaixo. =]
Linux: Blender para todos! 
Parte I


Para selecionar um objeto, basta clicar sobre o mesmo com o botão direito do mouse. Nosso primeiro objeto selecionado é a câmera. É ela quem nos dará a visão do nosso projeto quando renderizado.
Linux: Blender para todos! 
Parte I


O nosso segundo objeto, é de fato considerado um 'objeto', pois o cubo representa o que nós criamos para aparecer na animação.


Mais pra frente, na segunda parte, vamos aprender a utilizar novos objetos, e por que não, criar novos!
Linux: Blender para todos! 
Parte I


Por fim, nós temos a lâmpada que confere 'luz' ao nosso projeto !
Linux: Blender para todos! 
Parte I


Dito isso, vamos os atalhos básicos! Eles serão a força motriz do nosso projeto de hoje.


O primeiro atalho consiste na: Movimentação de objetos e itens.


- Pressionando a tecla 'G', o objeto selecionado pode ser movido para onde você quiser, bastando arrastar o mouse:
Linux: Blender 
para todos! Parte I


- Pressionando a tecla 'R', o objeto pode ser rotacionado da maneira que você desejar:
Linux: Blender 
para todos! Parte I


- Pressionando a tecla 'S', é possível deixar o objeto com o tamanho que você desejar:
Linux: Blender 
para todos! Parte I


Esclarecida esta parte, é hora de animar!


Vamos começar com algo bem simples. Utilizando ainda o mesmo cubo padrão, selecione o mesmo e pressione a tecla "i" , isto vai gerar um 'Key Frame' ('frame' animado inicial) e da lista, escolha o efeito desejado presente na lista.


Por padrão, hoje vamos redimensionar o objeto. então vamos utilizar o recursos 'Scalling'!
Linux: Blender para todos! 
Parte I


Linux: Blender para todos! 
Parte I


Basta clicar sobre o nome do recurso desejado.


Feito isto, vamos até a 'Time Line' (linha de tempo) e mover a barrinha verde que controla o tempo da animação. Este passo é vital, pois controlará a duração e a velocidade da nossa ação. Depois, clique em algum ponto adiante do primeiro ponto criado e utilizando o atalho 'S', redimensione o objeto para um novo tamanho.
Linux: Blender para todos! 
Parte I


Linux: Blender 
para todos! Parte I


Quando terminar, basta pressionar novamente a tecla "i' e selecionar o mesmo efeito. Pronto!
Linux: Blender para 
todos! Parte I


Agora é só dar 'Play' e assistir!



Um pouquinho de cor? É pra Já!

Cor é uma coisa que não pode faltar, não é mesmo?

Então, vamos aprender a atribuir um tom básico ao nosso projeto.

Pressionando 'F12', podemos ver uma prévia básica do mesmo renderizado, sem vida em um tom acinzentado e sem brilho. Isto é absolutamente normal, uma vez que ainda não aprendemos a iluminar tudo do jeito correto.
Linux: Blender para 
todos! Parte I

Visto isso, vamos voltar para a visão 3D apertando 'F11', selecionando em seguida um dos objetos que o compõem o cubo. Após, vamos navegar até a aba de materiais vista no canto direito da interface do Blender.
Linux: Blender para 
todos! Parte I

Depois altere o tom difuso para o novo desejado, e também o especular, se assim o desejar!
Linux: Blender 
para todos! Parte I

Abaixo, temos um exemplo bem prático! Veja como ficou o cubo com a nova cor:
Linux: Blender para 
todos! Parte I

Agora, com o projeto renderizado:
Linux: Blender para 
todos! Parte I

Simples assim!

Conclusão

Na próxima parte do artigo, veremos:
  • O básico sobre iluminação
  • Câmera
  • Animando vários objetos por vez

Linux: Blender para 
todos! Parte I

Vejo vocês na Parte II!

P.S.: Um agradecimento mais do que especial, a todos os HERÓIS que batalham diariamente para que a referida Comunidade de Software Livre, possa ser de fato respeitada por aqueles que nem ao menos sabem da sua existência como prática social justa, para que diversos profissionais possam ter de fato uma vida melhor, seja ele da criação ou mesmo como 'Operador de Computador'. 
 
Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

O conteúdo deste blog/site pode e deve ser divulgado, conforme lei a 9.610/98 meus direitos estão assegurados, portanto eu permito a copia e reprodução gratuita, seja total ou parcial, não acarretando qualquer onûs financeiro aos interessados, porém, vedo o uso para fins lucrativos, toda reprodução para o público deve citar a fonte extraída, no caso o Técnico Linux - O Espaço do Software Livre e seja citada junto com um link para a postagem original, onde a referência deve estar numa fonte de tamanho igual ou maior a do texto, obviamente que os links citados não estão sujeitos ao mesmo termo. O conteúdo textual original desta página está disponível sob a licença GNU FDL 1.2.

Todas as marcas citadas pertencem aos seus respectivos proprietários. Os direitos autorais de todas as ilustrações pertencem aos respectivos autores, e elas são reproduzidas na intenção de atender ao disposto no art. 46 da Lei 9.610 - se ainda assim alguma delas infringe direito seu, entre em contato para que possamos removê-la imediatamente ou ainda lhe dar os devidos créditos.

Copyright © 2016 O Espaço do Software Livre